Exercício Físico e Saúde: Evidências Crescentes

Atualizado: 26 de Jun de 2019

Apesar dos inúmeros e inquestionáveis benefícios envolvidos, o tratamento de diversas condições de saúde através do exercício é muitas vezes subestimado pelos médicos e pacientes.


Antes de mais nada, consideremos os conceitos de atividade física, exercício e esporte. Atividade física é qualquer movimento corporal, produzido pelo sistema musculoesquelético, que resulta em gasto energético maior do que os níveis de repouso. Mesmo apresentando alguns elementos em comum, a expressão exercício físico não deve ser usada como conotação idêntica a atividade física. Exercício físico é toda atividade física planejada, estruturada e repetitiva que tem por objetivo a melhoria e a manutenção de um ou mais componentes de aptidão física. Já o termo esporte pode ser definido como um sistema ordenado de práticas corporais de relativa complexidade que envolve atividades de competição institucionalmente regulamentada, que se fundamenta da superação de competidores ou de marcas e/ou resultados anteriores estabelecidos pelo próprio esportista.


O exercício físico, tema central de nosso post, é geralmente um plano específico concebido para um fim específico, e é desenvolvido por especialistas em reabilitação com base na condição do paciente. A prescrição do exercício deve ser individualizada, de acordo com as necessidades especiais e únicas de cada paciente e seu objetivo deve ser avaliado durante a implementação para alcançar o efeito desejado.

Confira no vídeo abaixo os benefícios do exercício na saúde do corpo:


A diversidade de exercícios que dispomos nos oferece vastas possibilidades de combinações de acordo com a realidade e possibilidade de cada paciente. Xin Luan, em seu artigo ''Exercise as a prescription for patients with various diseases (2019)'', sugere a seguinte classificação: exercícios aeróbicos (AE), treinos de resistência (RE), aeróbicos combinados com treinamento de resistência (CT), exercício domiciliar (HE) exercício multimodal (ME) e dentre outros. O artigo faz uma revisão profunda do papel de cada grupo de exercício em condições de saúde e doença específicas, conforme resume tabela abaixo:



Uma boa prescrição deve incluir principalmente o tipo, a frequência, a intensidade e a duração do exercício. Para uma prescrição de exercício resistido (ER), a quantidade total do treinamento, o tempo de intervalo e assim por diante, também precisam ser determinados. A intensidade do exercício é importante para os pacientes, e é geralmente determinada pela reserva cardiovascular, pela freqüência cardíaca máxima dos sujeitos, pelo consumo máximo de oxigênio (VO2máx) ou pela escala de percepção de esforço. A condição geral de cada paciente e as características da doença também devem ser considerados. Geralmente, nos estágios iniciais e intermediários da doença, intervalos de intensidade moderada ou mesmo de alta intensidade podem ser adotados. Se a doença está em fase avançada ou se falarmos da fase pós-operatória, o treinamento de baixa intensidade é preferido, e a intensidade de carga deve ser aumentada gradualmente.


A prevenção e a reabilitação de lesões no esporte, por exemplo, são tratadas através do uso de diferentes tipos de treinamento e exercícios, ou uma combinação das duas modalidades. Já para pacientes com dor lombar crônica, a AE de longo prazo e de baixa intensidade é uma forma comum de exercício, sendo o pilates o mais difundido desses exercícios para esse grupo de pacientes. Ele é usado para diminuir a dor e melhorar a qualidade de vida.


Há muito a ser estudado e melhor compreendido sobre prescrição de exercícios em cada condição de saúde, mas tem-se avançado muito nas evidências científicas. Quanto mais eu estudo, mais descubro a fortaleza da simplicidade. Nos tratamentos menos sofisticados e com mais autonomia estão os resultados mais duradouros. Paciência, estudo, prescrição individualizada e ajustes precisos no plano de tratamento de cada paciente são o ponto de partida para a manutenção da saúde.


Para mais informações veja as referências abaixo:

  • Xin Luan et al., Exercise as a prescription for patients with various diseases, Journal of Sport and Health Science (2019), https://doi.org/10.1016/j. jshs.2019.04.002

  • Humphreys BR, McLeod L, Ruseski JE. Physical activity and health out- comes: evidence from Canada. Health Econ 2014;23:33–54

  • Lauersen JB, Bertelsen DM, Andersen LB. The effectiveness of exercise interventions to prevent sports injuries: a systematic

43 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo